A cidade do Rio de Janeiro está sediando, nestes dias, os Jogos Olímpicos e neste terceiro macroevento mundial que acontece na capital fluminense, o Ministério Jovem realizou no último final de semana a missão Jesus nas Olimpíadas. Com cerca de 130 jovens de todo Estado do Rio e de alguns outros estados do país, os missionários percorreram alguns locais da cidade com “arrastões” de evangelização e partilha da Palavra de Deus.

A missão é desempenhada com abordagens pessoais nas quais os missionários escutam a pessoa e anunciam a Palavra. Em muitos momentos, as pessoas abordadas se abrem, partilham a vida, apresentam as intenções do coração e rezam junto com os missionários. Foi o que aconteceu, por exemplo, no entorno do estádio do Maracanã, quando diversos missionários abordaram agentes de segurança, da Guarda Municipal, Polícia Militar e Força Nacional, e rezaram por eles. Dário Pereira, presidente do conselho da RCC na Arquidiocese do Rio de Janeiro, testemunhou que esse foi um momento muito marcante, pois no meio de toda tensão dos jogos, os militares se abriram à oração. “Os jovens deram a eles o sentido de que a segurança não vem somente dos homens, mas de Deus”, completou.

Ainda no sábado, o grupo de missionários, formado por cerca de 130 pessoas se dirigiu para a comunidade de Rio das Pedras, no vicariato Jacarepaguá. A Arquidiocese do Rio é dividida em oito regiões, que são os vicariatos. O vicariato Jacarepaguá é onde está localizado o Parque Olímpico. Mas esta comunidade não tem muito a ver com os jogos. De acordo com Kaline de Lima, coordenadora do Ministério Jovem na Arquidiocese do Rio, está é uma comunidade que carece de muita infraestrutura. Lá vivem pessoas bem humildes, mas acolhedoras. Em Rio das Pedras os missionários foram de casa em casa pelas ruas anunciando o Senhorio de Jesus.

Kaline recorda um momento muito especial. Uma das pessoas abordadas foi um senhor que estava a costurar uma rede de pesca. Ela conta que este homem resistiu a abordagem, mas quando soube que se tratava da Palavra de Deus, ele se abriu. No meio da conversa, ele partilhou algumas dificuldades que tinha com a esposa. Segundo Kaline, o homem afirmou não ir a Igreja, mas que tinha muita fé em Deus. Naquele momento, a missionária proclamou para ele que para que a Salvação entrasse na casa dele, bastava que ele abrisse o coração e pedisse. “Ele largou o que tinha nas mãos e disse: Eu aceito! Nós seguramos as mãos e começamos a orar. Louvamos a Deus”, relata.

Após a visita às casas, todos os missionários foram para a paróquia da comunidade, onde realizaram um grande Grupo de Oração. No domingo pela manhã, a missão foi na praia de Copacabana, a mais famosa da cidade, e os missionários fizeram abordagem com os turistas e moradores de cidade. Aline Silveira, coordenadora do Ministério Jovem do Paraná e missionária do Jesus nas Olimpíadas, conta que volta pra casa com o ardor missionário mais inflamado no coração dela, com vontade de evangelizar ainda mais. “O que mais me marcou foi a acolhida da comunidade de Rio das Pedras. Foi em oração que eles (a organização do Jesus nas Olimpíadas) sentiram necessidade de evangelizar lá. Então, quando nós chegamos lá, eu me senti muito amada, querida, muito esperada para evangelizar”, testemunha.

Missões Mundiais

O Jesus nas Olimpíadas surgiu como parte do projeto Missões Mundiais, que foi elaborado pela coordenação nacional do Ministério Jovem. Faziam parte das Missões Mundiais todos os grandes eventos que o Brasil sediaria nestes anos: a Jornada Mundial da Juventude Rio 2013, a Copa do Mundo Fifa 2014 e os Jogos Olímpicos Rio 2016. Em todas as ocasiões, missionários de diversas partes do país se mobilizaram para anunciar a Palavra de Deus aos visitantes e moradores das cidades envolvidas.

Exceto na Copa do Mundo 2014, quando as missões foram distribuídas em todas as 12 cidades-sede do evento, as outras duas missões mundiais foram concentradas no Rio de Janeiro. Dário Pereira, presidente do conselho da RCC na Arquidiocese do Rio de Janeiro, afirma que este foi um tempo de muita graça para os Grupos de Oração, tanto porque envolveram os jovens, como os Grupos como um todo, para apoiar a realização dessas missões. Ele está muito feliz, porque, segundo ele, a cada missão o número de participantes nos Grupos de Oração tem aumentado.